OrganicsNet nas redes sociais:


 

Mercado

Em crise, fumicultores encontram alternativa em produtos orgânicos

30/10/2013
Produtores de fumo estão investimento em outras culturas / Foto: Marco Antonio Mendes/RBS TV

Produtores de fumo estão investimento em outras culturas / Foto: Marco Antonio Mendes/RBS TV

O cultivo de produtos orgânicos tem sido a alternativa encontrada por fumicultores do Sul de Santa Catarina para garantir renda e não acumular dívidas. O consumo de tabaco no Brasil tem diminuído, em média, 6% ao ano, o que já fez com que 21 mil famílias deixassem o plantio.

Em Santa Rosa do Sul, o agricultor Niozé Neri de Matos chegou a produzir 100 mil pés de fumo há cinco anos, mas hoje a safra não passa dos 45 mil pés. “Eu tinha uma produção bem grande e agora estou tendo que diminuir a cada ano. A tendência é acabar e investir em outra atividade”.

A estimativa é de que 670 toneladas do produto sejam descartadas todos os anos, por causa da diminuição de consumo. Com mais oferta do que procura, os produtores começaram a investir em alternativas incentivadas pelo Programa Nacional de Diversificação em Áreas Cultivadas com Tabaco. Com assistência de cooperativas de engenheiros agrônomos e da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), os agricultores estão cultivando produtos como frutas e hortaliças sem o uso de agrotóxicos.

“A gente sabe que o tabaco vai render muito ainda, mas não podemos deixar esta situação de lado porque o consumo está diminuindo cada vez mais. Estes incentivos do governo federal em parceria com as cooperativas são muito importantes porque dão a garantia de renda às famílias”, explica a coordenadora do programa na região, Cristine Lopes de Abreu.

O cultivo de orgânicos aumenta o valor dos produtos em cerca de 30%. Hoje, se o agricultor produzir com certificação e fornecer alimento para a merenda escolar, o governo federal garante R$ 9 mil através da Companhia Nacional de Alimentos (Conab) e mais R$ 6,5 mil para vender aos municípios.

Na propriedade da agricultora Joreni Feliciano dos Santos, o fumo já foi descartado há três anos depois que a família teve um prejuízo de R$ 25 mil. A transição começou com o maracujá e agora o cultivo se estendeu para vários tipos de verduras e legumes. Até galinhas estão sendo criadas.

“Com o fumo a gente trabalhava triste e sem lucro. Agora está mais tranqüilo, temos mais qualidade de vida. Sem contar que sempre sobra dinheiro no fim do mês”, conta Joreni que vende os produtos para os vizinhos e mercados da própria comunidade.

Fonte: G1

Leia mais

MDA incentiva produtores de tabaco à conversão orgânica

Safra de tomates orgânicos dos agricultores da Agreco

Com agricultura familiar, MST adere a estratégias capitalistas

CONHEÇA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK TWITTER

 

Tags:
, , , , ,

 

 

Deixe seu comentário!

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.