OrganicsNet nas redes sociais:


 

Eventos. Técnicas

Brasil, da dependência a um dos maiores provedores de alimentos do mundo

11/11/2013
Mauricio Lopes, Embrapa

Maurício Lopes, da Embrapa, diz que Brasil passou da dependência a importante produtor mundial

O Presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Maurício Lopes, numa das palestras mais aguardadas do 14º Congresso de Agribusiness, promovido pela SNA debateu sobre o tema “Cenários e desafios para as próximas décadas – Oportunidades para o agronegócio brasileiro na produção de alimentos”.

Revolução

O presidente da Embrapa citou que o país passou pela primeira revolução do agro, ocorrida nos últimos 40 anos. “Superamos problemas de dependência e agora aparecemos para o mundo como um dos maiores provedores de alimentos. Dentro deste processo, ressaltamos que o progresso da economia e a sustentabilidade são perfeitamente compatíveis.”

Lopes defende que crescimento e sustentabilidade não são conceitos antagonistas, mas complementares. “É possível ter prosperidade econômica com melhoria ambiental e social”. Para ele, existe uma sinergia entre os dois campos. “É o meio ambiente gerando novas oportunidades econômicas, de crescimento e inclusão.”

Na segunda revolução, a agricultura será cada vez mais pressionada na direção da multifuncionalidade não só na produção de alimentos, fibras e energia, mas de alimentação, nutrição, saúde, serviços ambientais e ecossistêmicos, entre outros. A segunda revolução do agro brasileiro, diz ele, “vai depender de sermos capazes de responder às exigências do mercado e de ir além de produzir só alimentos, fibra e energia”. E os dificuldades a serem enfrentados nas próximas décadas estão relacionados à energia, água, alimento, ambiente e pobreza.

De acordo com o presidente, “estamos entrando em uma era para, talvez, uma consolidação da chamada inteligência coletiva (IC) nos modelos formais de organização e governança. E os desafios transfronteiriços, de grande complexidade, por sinal, estão relacionados às mudanças climáticas, à segurança biológica e aos cybercrimes. O mundo está em mudança e este é o grande desafio para o futuro”.

O que Lopes chamou de “o novo jogo” vem apresentando mercados dinâmicos, com necessidade de mais transparência, formados por instituições mais globais, mais flexíveis. “É o que denominamos de ‘People Power’, que surge diante da necessidade de reagir em relação à inoperância e à perplexidade, sob a forma de pressão para fora dos modelos formais”, ressaltou.

O presidente da Embrapa ainda reforçou que os “estresses térmicos, hídricos e nutricionais tenderão a se intensificar nos trópicos, em paralelo com o crescimento das pressões para descarbonização das economias”. Estes problemas, continua ele, também fazem parte do cenário do agronegócio para as próximas décadas. “A aceleração do processo de urbanização vai continuar e a mão-de-obra vai se tornar cada vez mais escassa. Desta forma, o agronegócio vai depender mais das máquinas, dos equipamentos e da automação, que, inclusive, ajuda a reduzir a penosidade no campo, podendo atrair os jovens para o meio rural”, afirmou.

É necessário, no momento, em sua opinião, começar a construir uma nova geração de profissionais no campo.

Ainda dentro do cenário de desafios para as próximas décadas, Lopes salientou que a taxa de crescimento da produtividade de cereais, por exemplo, está em declínio e “dizer não à biotecnologia é dizer não à racionalidade”.

Por equipe SNA/RJ

 

Tags:
, , , ,

 

 

Deixe seu comentário!

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.