OrganicsNet nas redes sociais:


 

Mercado

UE propõe mudanças quanto às importações de Orgânicos

17/04/2014

Ue

A Comissão Europeia no último mês de março lançou uma proposta de revisão da regulamentação orgânica em relação às importações. A proposta prevê a substituição da abordagem de equivalência  para a conformidade absoluta em todos os detalhes  do regulamento em relação aos orgânicos.

Abordagem de equivalência:  os produtos orgânicos importados ao entrarem na União Europeia (UE)  devem respeitar as normas  estabelecidas em um grau igualitário de confiança, mas mesmo assim ainda são aceitos alguns detalhes  que podem variar em virtude de diferentes condições locais de produção.

Conformidade absoluta: não será considerado  nenhuma especificidades regional,  afetando diretamente assim o quantitativo de importações na UE.

Para as regras propostas serem mais claras segue um exemplo:

Um agricultor Africano de manga orgânica que em sua fazenda possui uma cabra e realiza também  a produção de leite não orgânico, segundo as novas regras,  não  será capaz de exportar sua produção orgânica para a UE como se ele não estivesse em conformidade total com o regulamento previsto.

Associações europeias de agricultura orgânica representados pela Federação Internacional de Movimentos de Agricultura Orgânica (IFOAM), entidade que determina os delineamentos básicos para este tipo de sistema produtivo, condenam esta iniciativa.

A preocupação demonstrada anteriormente pela  Comissão Europeia no sentido de garantir o acesso dos consumidores europeus para uma ampla gama de produtos orgânicos, incluindo produtos não pertencentes à UE, como café ou cacau, parece ter sido descartada.

A Comissão fez progressos significativos na implementação das recomendações da Força Tarefa Internacional sobre Harmonização e Equivalência em Agricultura.  A mudança para o cumprimento  da conformidade é um retrocesso nos esforços para incluir os produtores dos países em desenvolvimento nas cadeias de valor. Esta mudança vai contra as recomendações da Task Force Internacional e o espírito do Acordo internacional sobre Barreiras Técnicas ao Comércio.

 ” Uma abordagem para trás, impondo regras da UE, mesmo quando não faz sentido.  E situações absurdas levarão inevitavelmente ao não cumprimento. ” afirma Markus Arbenz, Diretor Executivo da IFOAM.

A mudança nas proposta da comercialização de produtos importados afetará:

 O acesso dos consumidores europeus aos produtos orgânicos a preços acessíveis e confiáveis, principalmente produtos tropicais;

O acesso dos produtores  orgânicos europeus para ingredientes orgânicos importados;

Capacidade de desenvolvimento dos países de crescer o seu setor orgânico para atender à demanda dos consumidores europeus.

Fatalmente todo o setor orgânico será ameaçado, dos produtores aos consumidores, dentro e fora da UE. Os Estados-Membros são urgentemente chamados a expressar suas objeções e colocar um fim a esta proposta.

Fonte: IFOAM

LEIA MAIS

Logotipo orgânico é obrigatório na União Europeia

IFOAM da União Europeia comemora 10 anos de atuação

 

CONHEÇA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK TWITTER

 

Tags:
, , , , ,

 

 

Deixe seu comentário!

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.