Alimentos orgânicos da horta direto para a mesa

Foto: Guilherme Baffi
Foto: Guilherme Baffi

  A preocupação com os alimentos que vão para a mesa está contribuindo para o crescimento de um novo ramo comercial: a entrega em domicílio de produtos naturais. Pelo menos cinco empresas levam cestas e kits com verduras e legumes sem agrotóxicos a casas de rio-pretenses (SP). E o serviço vem conquistando mais e mais adeptos. Como são cultivados de forma natural, as frutas e os legumes vendidos são sempre os da época. Os vendedores informam pelas redes sociais quais deles estão disponíveis durante a semana. A bancária Juliana Carbonieri, 39 anos, adorou o sistema delivery. “Facilitou minha vida milhões de vezes. Toda semana compro.”

Além dela e do marido, a filha, Maria Julia, 8 anos, já é adepta da alimentação saudável. Desde cedo, foi incentivada a comer verduras e legumes. Sem precisar de exigência dos pais, a menina costuma comer de tudo. “Adoro brócolis, cenoura, tomate e alface,” diz ela. Juliana sempre deu preferência para produtos naturais, mas sofria com a falta de tempo para ir a supermercados que oferecem os alimentos ou em feiras específicas. Descobriu o serviço pelas redes sociais. “Nos supermercados, é mais caro. Nas feiras, a quantidade costuma ser grande e acabava sobrando muitos alimentos. Os kits dão para a semana toda.”

Os entregadores de alimentos naturais são pessoas que queriam alimentação mais saudável e encontravam dificuldades para ter acesso aos produtos naturais. Percebendo as barreiras, decidiram investir nesse mercado. “Tivemos a ideia do serviço por nossa busca pessoal por produtos saudáveis, livres de agrotóxicos. Compramos apenas de produtores certificados”, explica a enfermeira Tatiana Ferreira, 35 anos. Ela e a sócia, Fabiana Silva Bonifácio, 40, técnica em enfermagem, criaram o Da Roça. Montam kits com verduras e legumes e entregam na casa do cliente.

Cada uma continua com sua profissão e concilia com a entrega dos produtos. Já Vitor Franco deixou a área em que se formou – relações públicas – e investiu na plantação e entrega de cestas com alimentos naturais. Criou o Seio da Terra. “Vivemos no Interior e senti que estávamos perdendo o sabor e a origem dos alimentos.” Além do que produz em um sítio, ele tem parceria com a horta Mandalla, do casal Ceci Bonito e Reinaldo Paulino do Prado. Eles produzem em dois locais, ambos em Ipiguá. “Tínhamos produção convencional e, em 2004, conhecemos a orgânica. Fomos mudando aos poucos e hoje só produzimos de forma natural,” diz Ceci.

Segundo a nutricionista Flávia Pinto Cesar, a iniciativa é importante e faz muito bem à saúde dos bebês. “A saúde se forma desde o útero. Com esses alimentos, células mais saudáveis vão se formando. Quanto mais cedo são introduzidos, melhor, porque as crianças vão ter mais consciência de saúde.” Ela adverte que é importante ter cuidado com a origem dos produtos. “Muitos se dizem orgânicos, mas o fazem apenas por questão de mercado. É fundamental saber a procedência.”

Orgânico

O termo orgânico só pode ser usado para alimentos cultivados por produtores com certificado. Todos os outros alimentos produzidos sem o uso de agrotóxicos ou adubos químicos são considerados naturais ou agroecológicos.

Fonte: Diário Web

Share your thoughts