Horticultores do agreste são certificados após dois anos

                                                                                                                                                                                                                                                                

 Os produtores do município de Palmeira dos Índios, Alagoas, conquistaram um novo título. Após dois anos de espera, os agricultores receberam no dia 19 de setembro de 2014, a Certificação Orgânica de Controle Social.

 Durante a consultoria tecnológica para adequação aos critérios de produção orgânica exigidos pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o Arranjo Produtivo Local (APL) de Horticultura no Agreste constatou que algumas das exigências feitas pelo Mapa não eram cumpridas pelos produtores. Dessa forma, o comitê de gestão do APL buscou, em parceria com o Sebrae, promover consultorias a fim de realizar os ajustes necessários para a produção de alimentos orgânicos. Oito agricultores, dos 34 que participaram dos procedimentos de adequação, atenderam com mais rapidez às exigências demandadas.

 Após cumprirem com as determinações, membros do Ministério estiveram em Palmeira dos Índios para realizar uma vistoria das hortaliças e então, foram certificadas como produção orgânica agroecológica, ou seja, alimentos provindos de sistemas agrícolas com base em processos naturais, que não agridem a natureza e o solo.

 Segundo Humberto Sant’Anna, gestor do APL de Horticultura, essa conquista não está apenas relacionada à questões ambientais: “A produção de alimentos livres de agrotóxicos garante benefícios que ultrapassam o cuidado com o meio ambiente e com a saúde. Com o certificado em mãos, esses agricultores vão poder agregar até 30% o valor de comercialização dos seus produtos”, afirma.

 Segundo a previsão dada pela Organização de Controle Social (OCS), até o final de 2014 um novo grupo estará dando entrada no processo de certificação, após o cumprimento das exigências. A venda dos alimentos precisa ser direta, sem intermédio de terceiros na comercialização entre produtores e consumidores finais. Cada membro da Organização receberá uma Declaração de Cadastro de Produtor Vinculado à OCS. Dessa forma, ao apresentar esse documento, o produtor será identificado como orgânico.

Fonte: EcoAgência Solidária de Notícias Ambientais

Share your thoughts