E-commerce de frutas e legumes orgânicos cresce 5 vezes na crise

foto: site empresa

A paulistana Raízs, comércio eletrônico de produtos orgânicos, termina o ano com faturamento cinco vezes maior do que em 2019.

Com mais dinheiro em caixa, a empresa decidiu que era hora de investir 60% da sua receita em um projeto de expansão nacional.

Agora, além da região metropolitana de São Paulo, a startup passa a atender algumas cidades do interior e do litoral paulista.

No ano que vem, a meta é chegar a outras capitais, como Rio de Janeiro, Curitiba e Porto Alegre. “Já desenvolvemos cadeias de produção em outros estados, como Paraná e Rio de Janeiro. Nos próximos meses, vamos abrir centro de distribuições nessas regiões para podermos começar a operar já no primeiro semestre”, diz Tomás Abrahão, fundador e presidente da Raízs.

Para dar conta do crescimento no número de pedidos ao longo de 2020, a empresa triplicou o número de funcionários, de 40 para 120. Em 2021, para financiar a expansão e o crescimento do negócio, a startup planeja fazer uma rodada de captação série A. “Queremos investir em tecnologia, na rastreabilidade da cadeia e na expansão territorial”, diz o fundador.

Do campo para a mesa

Fundada em 2014, a Raízs usa tecnologia para conectar o pequeno produtor rural diretamente com o consumidor final. Com cerca de 27.000 clientes ativos por ano, a empresa faturou 5 milhões de reais em 2019, em um crescimento de mais de 200% em relação ao ano anterior.

A startup trabalha com uma base de 823 pequenos agricultores certificados em sua plataforma, que disponibilizam diariamente frutas, verduras, legumes, ovos e produtos não perecíveis para os clientes. “Antigamente foi um trabalho de formiguinha, de ir no campo e ganhar confiança dos pequenos produtores, mas agora eles que procuram a empresa”, diz Abrahão.

Pelo site da empresa  o consumidor, opta entre dois modelos de compra: pode montar um pedido avulso com os mais de 3.000 itens  ou optar pela assinatura de cestas sortidas, entregues periodicamente com o volume de itens desejados.

Durante a pandemia, o número de assinantes do serviço cresceu 223%. Segundo o fundador, além de serem entregues em casa, as cestas são atrativas por oferecerem produtos com valor até 25% menor que nos supermercados. Em média, uma cesta semanal para uma família de quatro pessoas custa R$85.

A Raízs coordena os pedidos e assume a gestão logística — o delivery da empresa funciona todos os dias da semana, exceto aos domingos. Os produtores e as cooperativas trabalham  independentemente e as entregas são realizadas pelos parceiros.

Comprar frutas pela internet?

O crescimento da startup segue o movimento de consolidação do e-commerce no Brasil para o setor de alimentos. A entrega de produtos perecíveis como frutas, legumes e verduras é considerada por analistas como uma das mais difíceis de ser realizada.

Primeiro porque a logística precisa ser rápida, para evitar que os alimentos estraguem. Segundo, porque eles têm valor agregado baixo. Há também uma barreira cultural, já que os consumidores, habituados a escolher seus produtos frescos, demoram a se aventurar por plataformas de comércio eletrônico buscando esse tipo de produto.

Com a pandemia dificultando as compras presenciais, as empresas e clientes precisaram ajustar seus hábitos e processos para poder fazer o e-commerce de produtos dessas categorias funcionar. Segundo dados da consultoria Neotrust/Compre & Confie, só em maio de 2020, o volume de vendas de hortifrúti cresceu 240% no e-commerce brasileiro, movimentando 12,06 milhões de reais. A presença no total da categoria de alimentos e bebidas ainda é pequena, de 6%, mas há espaço para crescer.

Leia a noticia completa, fonte: revista Exame

Veja outras matérias relacionadas:

Startup conecta pequeno agricultor de alimentos orgânicos ao consumidor

Negócio social na venda de orgânicos