Feira orgânica no Rio espera movimentar mais de R$ 3,5 milhões

Roda de negócios, que pela primeira vez recebe compradores internacionais, deve movimentar mais R$ 3,5 milhões em novos negócios no ramo de orgânicos e economia verde (Foto: Cristiane Caoli / G1)
Roda de negócios, que pela primeira vez recebe compradores internacionais, deve movimentar mais R$ 3,5 milhões em novos negócios no ramo de orgânicos e economia verde (Foto: Cristiane Caoli / G1)

O evento carioca de economia verde e orgânicos Green Rio espera movimentar em sua 4ª edição mais de R$ 3,5 milhões em novos negócios para o setor, informou Mariana Werneck, uma das organizadoras.

A marca foi alcançada em 2014. Em 2015, pela primeira vez, a rodada recebe compradores de diversos lugares do mundo, como Colômbia, Peru, Estônia, Dinamarca e Reino Unido. De acordo com Werneck, o ponto forte do evento realizado nos dias 20 e 21 de maio no Espaço Tom Jobim, no Jardim Botânico do Rio, na Zona Sul, são as rodadas de negócios.

“Com a rodada internacional, a expectativa é que dobre pelo menos esse número, porque o importador, ele não vai comprar uma caixa, a ideia é comprar um contêiner. Então, como é a primeira rodada, a gente está numa estimativa, de repente esse número pode ser três vezes maior, a gente realmente só tem essa avaliação só depois do pós-evento”, declarou Werneck.

“A gente começou interno, e esse ano a gente está tendo uma rodada também internacional. Então, nós temos 12 compradores estrangeiros que se reúnem com produtores nacionais, que vão desde frutas, verduras e legumes até energético orgânico”, explicou.

Segundo dados da IFOAM Organics International, no Brasil, o mercado de produtos orgânicos cresceu 25% em 2014, e a perspectiva de especialistas é que atinja cerca de R$ 10 bilhões em 2020.

Microalga reduz colesterol

spirulina_620
Spirulina em pó ou em comprimido orgânico promete reduzir colesterol, aumentar a imunidade e agir como suplemento alimentar (Foto: Cristiane Caoli / G1)

Uma das novidades do Green Rio 2015 é uma microalga denominada Spirulina Orgânica Tamanduá, e comprimidos ou pó. Segundo o empresário suíço Pierre Landolt, no Brasil há mais de 30 anos, idealizador do produto, ela é a única com certificado orgânico no Brasil e reduz colesterol, aumenta a imunidade, atua na flora intestinal e alivia sintomas da tensão pré-menstrual (TPM).

“A Spirulina é supernatural, riquíssima em proteína, em ômega três, e rica em vários produtos que realmente ajudam a saúde e principalmente é um produto que tem um impacto para reforçar as defesas imunitárias do corpo”, afirmou. De acoro com ele, a Spirulina é tradicionalmente utilizada na África para tratar problemas de desnutrição.

Por causa do seu alto poder nutricional, Landolt espera introduzir o pó de Spirulina na alimentação escolar para funcionar como um suplemento, e pode ser incluído em sucos, receitas de bolo, sorvete, sopas, entre outros. O curso de um pote de 90g custa R$ 18, e odo 500g, R$ 165. Já o pote pequeno de comprimidos sai a R$ 22.

“Uma das grandes expectativas é realmente tentar trabalhar com o impacto com as saúdes públicas, nós queremos encontrar parcerias, principalmente com municípios e com estados que são conscientes que na alimentação escolar poderia ser um produto superinteressante”.

Pirarucu e pintado

Empresários querem ganhar o mercado de peixe no estado do Rio de Janeiro com o pirarucu de cativeiro (Foto: Cristiane Caoli / G1)
Empresários querem ganhar o mercado de peixe no
estado do Rio de Janeiro com o pirarucu de cativeiro
(Foto: Cristiane Caoli / G1)

O gerente comercial Fernando Diniz e o gerente de importação da empresa Mar & Terra, Ricardo Vasconcelos, querem trazer os peixes de água doce pirarucu e pintado, que cultivam no Mato Grosso do Sul, para oRio de Janeiro para competir com os peixes de água salgada como o robalo e o pescado.

“São peixes nobres. Tem bastante potencial no mercado do Rio de Janeiro pelo hábito de consumo de peixe. Nosso produto, embora não tenha selo orgânico é um produto orgânico visto que não tem aditivos nem na preparação nem alimentação dos peixes e tampouco na produção. Nosso diferencial é a ração”, explicou Ricardo Vasconcelos.

De acordo com Vasconcelos, a distância não encareceria o peixe, que deseja crescer ainda mais no mercado carioca com preços competitivos. O pirarucu custa em média R$ 30 a R$ 35 o quilo. A inclusão do peixe à feira aconteceu devido a uma demanda dos compradores. Segundo o gerente de exportação e importação, a empresa exporta 500 toneladas de pirarucu por ano. “Esse ano vamos aumentar isso em uns 30%”, garantiu.

Cosméticos

Esfoliante é feito de açucar mascavo e castanha-do-pará (Foto: Cristiane Caoli / G1)
Esfoliante é feito de açucar mascavo e
castanha-do-pará (Foto: Cristiane Caoli / G1)

Outro destaque da feira são os cosmésticos da Base Florestal da Amazônia. Entre os produtos, estão perfumes com aroma de árvores e plantas da região Norte como andiroba, pataqueira, tambaíba e erva chama. A Chamma da Amazônia traz ainda a máscara de argila branca para tratamento de rejuvenescimento da pele e óleo natural de açaí e castanha do pará com açúcar mascavo.

“Nós já tivemos no Rio e estamos tentando voltar agora. Nós trabalhamos com a composição do produto a maior parte é sem tanto processamento. O açaí, por exemplo nós trabalhamos o orgânico. A produção é mais cara porque trabalhamos um semiartesanal, não é em grande escala”, explicou Ana Sanches. Os preços, no entanto, não foge dos praticados pelos concorrentes. Um vidro de banho de cheiro de 30 ml custa R$ 40,50. Um hidratante de 250g, custa R$ 44.

De olho em produtos naturais, compradores europeus, segundo Ana Sanches, “buscam muito” os itens brasileiros da Amazônia. “Nós estamos fazendo trabalho com importador, e acredito que daqui a um ano consiga fazer exportação bem representativa”.

Fonte: G1 Rio de Janeiro

Share your thoughts