Loja de conveniência lança iniciativa de rotulagem de produtos geneticamente modificados nos EUA

Getty Images
Getty Images

A Grocery Manufacturers Association (GMA) lançou uma nova iniciativa visando a satisfação dos consumidores e dos produtores de alimentos na luta para rotular alimentos com ingredientes geneticamente modificados. A GMA afirmou que mais de 30 empresas já se comprometeram a participar da iniciativa SmartLabel, o que permitirá que os consumidores encontrem informações detalhadas sobre os produtos, digitalizando um código QR presente nas embalagens, além de permitir também o acesso à pesquisa na web como o Google, Yahoo ou Big, ou até mesmo o site da empresa.

Cada produto que participar da SmartLabel terá uma página específica que irá conter informações detalhadas sobre o produto que é criado pelo fabricante. GMA afirmou que todas essas páginas de destino SmartLabel serão organizadas em formatos semelhantes e com uma aparência consistente.

Até o final de 2017, o grupo de comércio disse que as empresas estão projetadas para revelar se, cerca de 20.000 produtos alimentares, contêm ou não contêm ingredientes de origem a partir de culturas geneticamente modificadas, vulgarmente conhecida como OGM. As estimativas atuais indicam que o número pode triplicar, caso o Congresso aprove uma norma de rotulagem facultativa nacional uniforme.

“As pessoas querem mais informações sobre os produtos que compram, usam e consomem, e SmartLabel disponibiliza informações detalhadas bem na ponta dos dedos”, diz Pamela Bailey, presidente da GMA, em um comunicado à imprensa. “SmartLabel é uma tecnologia moderna que irá mudar a forma como as pessoas compram e vai ajudá-las a obter respostas a perguntas sobre os produtos que compram, quando elas precisam daquela informação”.

Os advogados para leis de rotulagem obrigatória, no entanto, rejeitaram a idéia de usar os códigos QR ou a Internet para divulgar informações sobre o produto, alegando ser discriminatória em relação às populações minoritárias e rurais, idosos e de baixa renda, que podem não ter acesso a smartphones ou computadores.

“Eles são um substituto completamente inaceitável “, afirma Andrew Kimbrell, diretor executivo do Center for Food Safety, disse em um comunicado à imprensa anunciando hoje uma nova pesquisa mostrando que 86 por cento dos americanos apoiam a rotulagem obrigatória dos OGM . “O direito de saber é um direito de todos, e não apenas aqueles que podem pagar.”

 

Fonte: Living Max Well