Produção de grãos não geneticamente modificados.

Em recente entrevista o diretor executivo da ABRANGE, Ricardo Tatesuzi de Sousa , diz que cerca de 40% da produção de soja do Brasil é não-OGM e que os estados de Mato Grosso, Paraná e Goiás são líderes na produção.

Fundada em 2008, ABRANGE visa promover o mercado de produtos livres de transgênicos e garantir que os consumidores tenham o direito de escolher esses produtos.

ABRANGE tem cerca de 40 membros, que inclui produtores de soja não-OGM, processadores, cooperativas e certificadoras. O Brasil é o maior produtor mundial de soja não-OGM, produzindo, em 2009. cerca de 26 milhões de toneladas.

As exportações do Brasil não-OGM estão crescendo, diz o Sr. Tatesuzi de Sousa. “Muitas pessoas estão vindo até nós para adquirir soja não-OGM. As empresas estão organizando a logística para incrementar a oferta grãos não-OGM “.

Brasil exporta soja não-OGM e produtos de soja processada para a Áustria, Alemanha, França, Itália, Grã-Bretanha e Japão. Muitas das exportações, em especial o farelo de soja, são utilizadas para a alimentação animal.

Produzir grandes volumes de soja não-OGM não é difícil para o Brasil. “É uma questão de organização dos produtores, e os mercados pagam um prémio aos agricultores”.

O desafio é que a Monsanto, abusando de seu poder econômico, está restringindo o acesso as sementes de soja não-OGM, explicou Tatesuzi de Sousa.

Tatesuzi de Sousa diz que a percentagem da produção de soja do Brasil não-OGM diminuiu no ano passado de 45% para 40% devido à escassez de sementes.

Para enfrentar este desafio, ABRANGE organizou uma parceria com a EMBRAPA e a Associação Brasileira de Produtores de Soja (APROSOJA), para desenvolver novas variedades de sementes de soja não-OGM.

Eles estão ajudando a estabelecer um padrão para a produção de não-OGM. “Seremos o primeiro país a ter normas técnicas oficiais para a produção de não-OGM”, Tatesuzi de Sousa explicou.

Além disso, a ABRANGE solicitou ao Ministério da Agricultura do Brasil para atribuir um código específico para exportação de soja não-OGM.

Leia a integra da entrevista: Organic & Non-GMO Report
Fonte: The Organic & Non-GMO Report, Julho / Agosto 2010

Share your thoughts