Nos EU o boom da indústria de orgânicos pode ser ruim para os consumidores

foto: CI Orgânicos

Nos Estados Unidos na medida que o alimento orgânico passa do movimento utópico para ser uma lucrativa indústria, uma guerra está sendo travada em seu interior.

A Organic Trade Association informou que em 2017 o país atingiu o recorde de vendas de quase US $ 50 bilhões. Embora os alimentos orgânicos ainda representem apenas 5,5% do total de alimentos vendidos, o crescimento ano após ano tem sido meteórico, estimulando a entrada de produtores longe do idealismo e dos altos padrões do começo do movimento.

O Cornucopia Institute, um grupo de pesquisa sobre políticas agrícolas mais conhecido como órgão de fiscalização da indústria orgânica, tenta promover padrões mais elevados para as certificadores contratadas por produtores, processadores e beneficiadores de alimentos orgânicos com a finalidade de garantir práticas de conformidade com o Ato de Produção de Alimentos Orgânicos, aprovado em 1990. A intenção original dos agricultores orgânicos era criar condições equitativas no mercado e fornecer aos consumidores a garantia de um padrão mínimo uniforme para a produção orgânica.

Num boletim  lançado pelo Instituto Cornucópia classificou todas os 45 certificadores nacionais em sua adesão ao espírito e à letra da lei orgânica. O instituto descobriu uma variação significativa na forma como as certificadoras interpretam as regulamentações, variação que freqüentemente beneficia grandes fazendas corporativas e prejudica competitivamente aquelas que se comportam eticamente.

Os certificadores são pagos pelos produtores e empresas de alimentos que  certificam, o que pode resultar em relacionamentos confortáveis ​​e, em muitos casos, inescrupulosos.

O relatório do Cornucópia se concentra em três questões importantes para o movimento orgânico: leite, ovos e hidroponia, que cultivos sem solo.

O leite orgânico é freqüentemente produzido em fazendas industriais gigantes que gerenciam entre 2 mil e 20 mil vacas. O acesso das vacas às pastagens legalmente exigidas é logisticamente limitado por ordenhas frequentes e pastagens insuficientes e que estão prejudicando os pequenos agricultores no preço.

O Cornucópia não condena todos os certificadores que trabalham com fazendas gigantes e empresas de alimentos. Eles elogiam a Organic Crop Improvement Association, que trabalha com grandes empresas como a Eden Foods. O relatório aponto empresas multinacionais que produzem frutas e vegetais hidropônicos que levam o rótulo USDA Organic. Especialistas argumentam que a agricultura hidropônica não deve se qualificar como orgânica devido à sua dependência de nutrientes químicos e meios de crescimento que freqüentemente não são sustentáveis.

Apenas um pouco mais de 1% do solo dos Estados Unidos  é certificado como orgânico, a maioria dos produtos orgânicos e grãos é importada.  Há casos de sucessos como a White Oak Pastures, na Geórgia, que cresceu de um pequeno sítio familiar para a maior fazenda orgânica certificada pelo USDA no estado, mantendo altos padrões para pecuária e adotando um sistema inovador de produção de lixo zero. Mas muitas as empresas pioneiras agora são propriedade ou subsidiadas de grandes empresas convencionais. Assim a Kashi é da Kellogg, a General Mills é dona da Annie’s, a Perdue é proprietária da Niman Ranch, etc.

As certificadores credenciadas pelo governo federal começaram como empresas sem fins lucrativos, criadas por agricultores no primórdio do movimento, e se transformaram em corporações multimilionárias buscando a certificação de agronegócios corporativos multibilionários. “É uma luta constante em nível nacional para manter vivo o espírito dos orgânicos, que o solo é tão importante quanto as pessoas que comem a comida”, disse Pam Smith, ex-membro do conselho da Florida Organic Growers que, recentemente, renunciou em protesto a mudanças de tenor na organização. Um sistema imperfeito,  mas, por enquanto, o produto orgânico certificado pelo USDA é o único indicador disponível.

“Orgânico é o único rótulo definido pelo governo federal que tem significado legal. Não é perfeito, mas eu sei o que é ”, disse George Kimbrell, diretor jurídico do Centro de Segurança Alimentar.  “Se você não pode confiar em um certificador universalmente ou no sistema do USDA, nada disso é confiável. Há uma autoridade maior nessas questões do que o USDA e esse é   o consumidor. Ele controla o dinheiro e têm a última palavra ”, disse Kastel do Cornucopia,

Leia a noticia completa em inglês, fonte: Washington Post.