Orgânicos: melhor alternativa para uma alimentação sem agrotóxicos

Alimentos com agrotóxicos ou alimentação orgânica? Esta pergunta começou a fazer parte do cotidiano do brasileiro.

Um pouco mais preocupado com a saúde e com o aumento da divulgação de pesquisas que dão conta dos malefícios dos defensivos agrícolas, o consumidor passa a prestar mais atenção na alimentação. Estas pesquisas atribuem aos alimentos com agrotóxicos prejuízos imediatos como náuseas, dor de cabeça e ainda, em longo prazo, casos graves de câncer e problemas renais.

Mato Grosso é atualmente o campeão brasileiro em uso de agrotóxicos e o Brasil se configura desde 2006 como liderança mundial do uso de defensivos. O grande problema é que essa realidade está longe de mudar. Conforme relata a engenheira agrônoma e técnica da FASE (Fundação de Assistência técnica Social e Educacional) Francileia Paula de Castro, isto se dá principalmente por falta de políticas públicas e de assistência rural.

“A maioria dos agricultores, principalmente os menores, não sabe como realizar uma produção orgânica. Sem informações, eles acabam optando pela produção mais rápida”, pontua.

Para esses produtores a situação fica ainda mais complicada quando buscam financiamento para a produção. Na hora da avaliação do crédito rural, as instituições financeiras solicitam para o agricultor o pacote verde. Este pacote contempla as notas fiscais de agrotóxicos, de adubos e sementes modificadas geneticamente. Diante dessas informações, os bancos avaliam os riscos e liberam o crédito. Já no caso de uma produção orgânica, fica pouco viável para quem não possui capital de investimento.

O mesmo problema é visto na busca da certificação do alimento orgânico, já que a legislação prevê uma série de normativas para qualificar o produto. As empresas que fazem as qualificações cobram pelas visitas técnicas. As embalagens também são mais caras do que as comuns.

Em Mato Grosso o problema da logística também ajuda na oneração do produto, já que a maioria dos orgânicos não é produzida no estado.

Em Mirassol D’Oeste, pequenos produtores montaram uma indústria agroecológica para certificação do produto orgânico através de uma parceria com entidades de controle social. Desta forma, passaram a receber a certificação com valores mais reduzidos, segundo a agrônoma Francileia.

“Se este tipo de atuação fosse mais divulgado, tenho certeza que a agricultura orgânica seria muito mais viável e teria um grande aumento no estado. O grande problema é a falta de incentivo até mesmo de informação gerada pelos governos municipais e estaduais e pelo governo federal. Enquanto esta atitude não mudar, o agronegócio continuará cada vez mais forte e a saúde da população mais frágil”, alerta.

Recentemente, dados da Associação Brasileira de Saúde Coletiva, entidades de pesquisa e organizações sociais apresentaram um dossiê de mais de 500 páginas, contendo todos os impactos do consumo dos alimentos com agrotóxicos, para o Ministério da Agricultura. De acordo com o relatório, até a água potável apresenta níveis elevados de envenenamento.

Fonte: Agrolink

Leia mais

Globo Ecologia discute agricultura orgânica no Brasil

Agricultor troca agrotóxicos por plantação totalmente orgânica

Agrotóxicos colocam abelhas em risco

CONHEÇA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK TWITTER

Share your thoughts