Paraná consolida-se como maior produtor nacional de orgânicos

foto: OrganicsNet
foto: OrganicsNet

O Dia Mundial da Alimentação é celebrado no dia 16 de outubro e o Paraná comemora a data com o título de maior produtor de alimentos orgânicos do país e o segundo Estado brasileiro com o maior número de propriedades certificadas para a produção de orgânicos. São 1.966 propriedades, de acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, atrás apenas do Rio Grande do Sul.

O Paraná tem uma produção de 130 mil toneladas de alimentos por ano, segundo o Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater).

O bom desempenho do Estado se deve, principalmente, ao Programa Paranaense de Certificação de Produtos Orgânicos (PPCO), o único programa público no País a orientar e capacitar os produtores, auditar e certificar a produção de alimentos orgânicos.

O Programa envolve a Secretaria Estadual da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, por meio das universidades estaduais; o Centro Paranaense de Referência em Agroecologia (CPRA), vinculado à Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento, e o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), que é o órgão certificador.

Só nos últimos quatro anos, foram mais de 290 propriedades certificadas, em todas as regiões paranaenses. A iniciativa não favorece apenas o produtor que tem assistência técnica gratuita, mas também a população paranaense com acesso a alimentos mais saudáveis, produzidos sem agrotóxicos, hormônios ou transgênicos, levando em consideração o meio ambiente e a vida dos agricultores e seus familiares.

Em quatro anos, o Governo do Paraná já investiu no Programa R$ 5,5 milhões que, somados aos valores da fase 3 – que começou em 2016 e segue até 2018 -, totalizam R$ 8 milhões por meio do Fundo Paraná. Até o término da fase 3, a meta é certificar cerca de 1.040 produtores, ressaltando que a certificação é válida por um ano, tendo a necessidade de renová-las a cada encerramento.

CAPACITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO

Os agricultores que pretendem passar da produção convencional para a orgânica são orientados por técnicos e estudantes das sete universidades estaduais paranaenses, que fazem acompanhamento técnico e a capacitação dos produtores. Para que receba a certificação, a propriedade deve atender a uma série de normas, que inclui a troca de agrotóxicos e insumos químicos por técnicas agroecológicas, preservação dos ecossistemas, promoção do uso saudável do solo e da água e adotar critérios de comércio justo.

Na medida em que os profissionais estão interagindo com o produtor, o conhecimento tem chegado a ele e a sua família, e isso tem aumentado o nível de segurança do agricultor em mudar o modelo convencional pelo orgânico, mostrando que dá para ter produtividade, qualidade e mercado.

“Com esse apoio aos agricultores temos conseguido aumentar o número de produtores orgânicos certificados no nosso Estado”, diz o professor Rogério Barbosa Macedo, coordenador do Núcleo de Estudos de Agroecologia e Territórios, da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP).

A certificação é auditada pelo Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), que é responsável pela capacitação dos bolsistas que atuam no programa. Os alimentos orgânicos produzidos em propriedades rurais e certificados pelo Tecpar podem ser encontrados em três categorias: origem animal, vegetal e em processamento.

“Temos percebido uma grande mudança do perfil dos estudantes e dos nossos profissionais. Vários estudantes que participaram desse programa estão ligados a grandes projetos de agricultura familiar dentro e fora do Paraná”, destaca o professor Macedo.

AGRICULTURA FAMILIAR

O professor Macedo destaca que o programa é voltado para as pequenas propriedades, fortalecendo o trabalho da agricultura familiar. O modelo de produção orgânico está adaptado à realidade da agricultura familiar, que é extremamente importante econômica e socialmente no País.

“Não queremos substituir o agronegócio, mas dentro do escopo da agricultura familiar ao lado do agronegócio é possível ter uma produção de orgânicos que traga mais renda, mais saúde e mais satisfação ao pequeno produtor”, afirma Macedo.

O Programa faz a certificação para agricultores familiares do Estado de forma gratuita, além de capacitar a comunidade acadêmica para atuação em serviços de extensão rural, formando mão de obra qualificada para o Estado e promovendo a inserção de produtos com o selo “Orgânico Brasil” no mercado.

Com a certificação, os agricultores familiares contam com o incentivo econômico, já que há uma valorização do produto orgânico, e também são habilitados para programas públicos, como a venda de alimentos para a merenda escolar e para o Programa de Aquisição de Alimentos, do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário.

ESPECIALIZAÇÃO PROFISSIONAL

Outra iniciativa para fortalecer a produção de orgânicos no Estado é o Mestrado Profissionalizante em Agroecologia, da Universidade Estadual de Maringá (UEM). O Paraná foi o segundo estado do Brasil a implantar o curso, em 2014, uma iniciativa pioneira em território paranaense.

A proposta do curso é fomentar pesquisas em produção agroecológica familiar, aumentar o conhecimento sobre a natureza, o funcionamento e os indicadores de qualidade e de sustentabilidade dos agroecossistemas e apoiar e potencializar a Rede Paranaense de Pesquisa em Agroecologia.

Outra iniciativa para incentivar a produção de orgânicos no Estado é a promoção do primeiro Dia de Campo, com tecnologias de produção. A ação acontecerá de 11 a 12 de novembro, na Estação Experimental Agroecológica Terra Livre, em Bandeirantes, no Norte do Estado.

Fonte: Bem Paraná, leia a noticia completa