Produtores orgânicos reivindicam incentivo do governo

A agricultura verde ou cultivo sem agrotóxico, com auxilio do Programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC) superou o volume de R$ 1 bilhão em contratos na safra 2011/2012. Ainda assim, seu volume de recursos foi ampliado de R$ 3,15 bilhões para R$ 3,4 bilhões. Apesar do método de cultivo sem agrotóxico ser prioridade do governo, muitos produtores ainda se queixam da falta de incentivo.

Os alimentos orgânicos tem uma maior procura dos consumidores, essa foi a conclusão da reunião Green Rio da semana passada, no Rio de Janeiro. Para atender esses consumidores aqui no estado, produtores se organizam em feiras que acontecem ao ar livre, e levam esse tipo de produto diretamente para o consumidor final, como é o caso da feira que acontece todos os sábados, na Lagoa da Conceição, em Florianópolis. Encontram assim uma a maneira de estimular o crescimento do consumo de alimentos sem agrotóxicos.

Mas os produtores reclamam que falta incentivo do governo. “Apesar do Ministério do Meio Ambiente apresentar projetos para estimular a produção sustentável e agricultura verde, hoje em Santa Catarina não temos esses incentivos do governo estadual”, afirma o produtor rural Glaico Sell.

O dono do Casarão da Vida Natural Robert Zebastiani ainda revelou que para se manter nesse mercado é difícil. “Produto orgânico fica cada vez mais caro nos supermercados que matem o seu foco em vendas para as classes de renda alta. São poucos os pequenos produtores que vendem em feira para o consumidor comum” disse Zebastiani.

Segundo o Coordenador da Comissão da Produção Orgânica em Santa Catarina, Eduardo Amaral, o governo federal apresenta sim poucas medidas de incentivo ao produtor de orgânicos. “Uma das medidas que o governo federal tem é o Programa ABC que auxilia o produtor com crédito rural para os produtores que estão começando a cultivar hortas orgânicas. Apesar de o crédito ser uma maneira de incentivo o juros chega à 5,5% ao ano” afirma Amaral.

A produção de alimentos sem agrotóxico é complicado, muitos produtores desistem antes mesmo de completar a primeira safra. “O agricultor que começa a plantar sem agrotóxico leva em torno de três anos para conseguir o selo Brasil Verde, que é o certificado do governo federal que aquele produto é totalmente produzido sem agrotóxico” afirma Amaral. Para conseguir o selo, ou mesmo produzir totalmente sem agrotóxico os agricultores tem uma perda na produção com acréscimo nas horas de trabalho, dificultando o lucro final da sua plantação.

Fonte: EconomiaSC

Share your thoughts