Respostas locais para questões sustentáveis

A resposta para “O futuro que queremos”, o grande tema da conferência Rio+20, está na atuação da própria comunidade, como acontece nos 29 municípios da Bacia do Paraná 3, onde a Itaipu Binacional e parceiros desenvolvem o programa Cultivando Água Boa.

“As ações locais, trabalhando no ‘micro’, são mais impactantes porque possibilitam mudanças concretas nas vidas das pessoas”, afirmou o diretor de Coordenação e Meio Ambiente de Itaipu, Nelton Friedrich, que apresentou nesta quarta-feira uma das ações do Cultivando Água Boa, o programa Vida Orgânica, na Conferência Green Rio, na Bolsa de Valores do Rio de Janeiro.

“Nós já temos respostas para as questões da sustentabilidade, falta ganhar escala”, afirmou Friedrich no evento, paralelo à conferência em que chefes de estado e diplomatas de 190 países começaram a decidir o documento final da Rio+20, “O futuro que queremos”. Esse documento balizará as ações dos países signatários da ONU em relação ao desenvolvimento sustentável.

Segundo Friedrich, os eventos paralelos à conferência de chefes de Estado ajudam a divulgar experiências que podem ser multiplicadas em outros locais. Ou seja, não precisa esperar apenas a resposta do governo. “Em nossos trabalhos, mostramos às pessoas que não adianta chamar o prefeito, a Itaipu ou o governo federal; a resposta está na própria comunidade”, concluiu.

Green Rio
A conferência Green Rio foi na terça e quarta-feira, para debater experiências de economia verde no Brasil e na América Latina. Os painéis desta quarta foram abertos pela ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello.

Alem da participação na conferência, Itaipu levou cerca de 30 diferentes produtos de cooperativas ligadas ao programa de Desenvolvimento Rural Sustentável, do Cultivando Água Boa. Também mostrou peças de artesanato indígena dos povos avá-guaranis atendidos pelo programa de Sustentabilidade das Comunidades Indígenas.

Agricultura sustentável
Desde 2003, quando o programa Desenvolvimento Rural Sustentável de Itaipu foi implantado, cerca de mil agricultores locais aderiram à prática da agricultura orgânica. Outros 1.500 estão em estágio avançado na adoção de práticas agropecuárias sustentáveis, como a integração entre pecuária e lavoura, a produção de leite e pasto e a diversificação de culturas, especialmente com o plantio de frutíferas.

Além do suporte técnico a esses produtores, a Itaipu e demais parceiros do projeto incentivam a produção agroecológica através das feiras Vida Orgânica, da inserção de alimentos orgânicos na merenda escolar, da criação de agroindústrias e cooperativas voltadas ao agricultor familiar, entre outras ações.

O agricultor Norberto Seibel, de Santa Helena (município que fica às margens do reservatório da Itaipu), conta que fez muitas mudanças em sua propriedade, sob orientação de técnicos da Itaipu, com impactos não só na produção, mas também na qualidade de vida.

“Os benefícios estão na melhoria do nosso rebanho leiteiro e das pastagens, na maior variedade de produtos para feira, na pasteurização de leite para a merenda escolar e na qualidade do melado, com a maior produtividade da cana”, garante Seibel.

Fonte: Itaipu Binacional

Share your thoughts