Supermercados por uma vida mais saudável

960x0

imagem: Sean Proctor/Bloomberg

No Centro Oeste dos EUA, Indiana. O Supermercado Marsh está dando passos largos na direção de uma oferta mais eficaz de informações sobre os alimentos e seus efeitos na nossa saúde.

Contando com diversos dispositivos. A equipe responde a dúvidas e publica conteúdos com relação a nutrição e alimentação saudável online. Funcionários especializados e sistemas. Até mesmo classificação alimentar podem fazer parte das experiências globais da loja.

Eles não estão sozinhos nessa. Já existem outras cadeias de supermercados oferecendo tais serviços e podemos esperar por ainda mais. Várias cadeias nacionais e regionais, a partir da iniciativa do Marsh, estão incorporando campanhas de Alimentação Saudável. O que eles buscam agora são formas de atender às expectativas de nutrição mais elevadas, demanda que vem dos próprios consumidores.

A nova exigência do público está causando confusão aos maiores fabricantes de alimentos. Estes estão precisando se adequar a essa nova demanda e supri-la.

Esta tendência se estende para muito além dos produtos orgânicos ofertados. Entram na balança também os alimentos embalados e processados ​​que se tornaram clássicos das bancadas de cozinhas.

É difícil saber de onde essas mudanças advém: das alterações pendentes para EUA Nutricional rótulos em 2018 – o primeiro em 20 anos; ou se essas mudanças regulatórias estão acompanhando a demanda dos consumidores. De qualquer maneira, as cadeias de supermercados estão assumindo um papel mais interativo em campanhas em prol de uma alimentação mais saudável.

Entre os exemplos de supermercado:

H-E-B: A grande cadeia de supermercados de propriedade familiar emprega um nutricionista na equipe de culinária. Charlotte Samuel compartilha uma série de receitas de 500 calorias, bem como pratos sem carne na página onlinehealt. H-E-B também possui uma placa Pinterest “saudável e deliciosa”, com receitas que apelam para os seus clientes mais desejáveis.

Marsh Supermarkets: Esta cadeia emprega um nutricionista, Mary Snell, como seu diretor de nutrição e bem-estar. Ela compartilha receitas saudáveis, aparece na TV local e leva questões de nutrição ao cliente no site da Marsh. Marsh também opera um sistema de classificação de rótulo saudável. O Guiding Stars chama a atenção para a importância de ler os rótulos dos alimentos. Enfatiza assim escolhas alimentares mais inteligentes.

Target: O comerciante de massa em 2015 disse que iria mudar o seu foco de alimentos de grandes fornecedores como a General Mills, Kraft e Kellogg para marcas menores e mais naturais. A empresa baseou esta decisão nas preferências dos consumidores por alimentos mais saudáveis ​​e mais naturais. O setor de Alimentos foi responsável por 21% da meta TGT receita global + 0,39 ‘s% em 2015. Em segundo lugar ficaram os utensílios domésticos. Em terceiro vestuário e acessórios.

Aldi: A cadeia de preços baixos está lançando uma linha de produtos de carne livre de antibióticos, hormônios adicionados, esteróides ou subprodutos de origem animal. A Never Any! Linha que inclui peitos de frango, bacon Hickory, frango inteiro, lombos de peito de frango e salsicha de frango.

Kroger: A maior cadeia de supermercados da nação estadunidense  tem as linhas Simple Truth e Simple Truth Organic. Alimentos livres de 101 conservantes artificiais e ingredientes que os clientes disseram que não querem na sua alimentação. “A linha da Simple Truth gerou em 2015 vendas de aproximadamente US $ 1,5 bilhão, em comparação com cerca de US $ 1,3 bilhões em 2014.”, O CEO Rodney McMullen disse em uma conferência em março. Ambas registram crescimento de vendas idênticos em dois dígitos há vários anos.

Fonte: Forbes

Para saber mais:

Falta de informação do consumidor é entrave para mercado de orgânicos – OrganicsNet

Surya Brasil e Bioart apostam na Economia Colaborativa Compartilhada – OrganicsNet

Você entende os rótulos da carne que consome? – OrganicsNet